quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Ovo de bronze*


Um dia sem inspiração é como um ovo indez, de bronze. Parado sobre um móvel a olhar  para uma sala vazia.
De repente, um gato sem dono, desses que peregrinam pelos jardins, pula a janela e se atira numa poltrona. O mundo de ovo de bronze hesita. Todos os medos vêm à janela implicar com a claridade.
 O gato de nada faz conta e finge que dorme. Por que se atira sempre na mesma poltrona? Na única que tem flores no tecido. Pensa  que a poltrona é a continuação do jardim, o gato, que parece um pequeno tigre. Cada vez que pula de volta para o jardim, deixa sinais na parede. O ovo de bronze não choca nada e o gato ronca.
 Ao fundo, Vanessa da Mata está cantando a força que nunca seca – a da mulher com a lata na cabeça. Há um mês estou ouvindo cinco vezes por dia, ou mais, essa canção, na voz dessa cantora. Alguma coisa na letra ou na melodia me leva a ouvir de novo, novamente, outra vez. Não deve ser só porque a letra é forte e a melodia é mágica. Deve ser por causa do ovo de bronze.
Em certas horas as palavras voltam-se para si mesmas e tudo vira gesto. Os nomes secretos respondem aos chamados. O parado ferve. Até a figueira do jardim se cobre de glória. Nem havia reparado na quantidade de folhas novas.
Não saia às ruas hoje, vizinha da casa número 11. Este dia é gêmeo de outro que virá. Vai cair bala perdida do céu. Deixe para aviar a receita médica amanhã. Hipocondria pode esperar. A sua farmácia caseira já está saindo pelo ladrão. Tem alguma cor de pílula que a senhora não tem? As amarelas são alegres . Não confio nas marrons. Por que não troca as pílulas por kefir? Antes, porém,  sirva-me uma para dormir, das vermelhas, para combinar com paixão. Pílulas são lindas  e, às vezes, necessárias. Por causa do ovo de bronze.
O gato peregrino pula pra fora.  Sento-me  na poltrona ainda quente do corpo do felino. Não tenho a intenção de chocar o ovo de bronze, mas tentar não me custa.
 * Selecionado para a antologia de e -contos  Ficções & Gato Sabido 

Nenhum comentário:

Postar um comentário